segunda-feira, 31 de março de 2014

Contribuição das Forças Armadas pra história do Brasil: homenagem ao Exercito pela passagem dos 50 anos do Golpe.

No ano em que lembramos os 50 anos do Golpe de Estado Civil-Militar que culminou com a deposição do Presidente João Goulart em 1964, levado a cabo com o apoio e incentivo dos EUA, é importante refletir sobre algumas passagens históricas relevantes que caracterizam as Forças Armadas do país. 

Guerra do Paraguai (1864 - 1870): Embora tenham-se reunido Brasil, Argentina e Uruguai para lutar contra o Paraguai, o maior efetivo em termos de contingente de tropas mobilizadas e em ação foram brasileiras. Cerca de 150 mil homens foram enviados a guerra pelo Brasil, totalizando aproximadamente 60 mil mortos entre militares e civis, vitimados em combate e por doenças. Conforme fosse uma sociedade de "barões" e "senhores" de um lado e escravos de outro, a população pobre e "livre" sobrevivia a margem dela e do Estado, portanto inexistia qualquer espírito nacional ou patriótico que vinculasse a população civil ao Brasil. Disso resulta o recrutamento violento e arbitrário e o envio de escravos e negros alforriados para a frente de batalha. Razão pela qual o Marques de Caxias - depois Duque -, exigia das tropas a obediência de um escravo. 

Cadáveres paraguaios. 
Solano Lopez entrou só em um conflito estúpido por questões fronteiriças e desvairadas ambições políticas e econômicas, em dezembro de 1868 estava acabado, com o exercito destroçado, a capital do seu país tomada e em ruínas. Ainda assim o Conde D'Eu assumiria a responsabilidade pela captura de Solano Lopez, não sem antes invadir, incendiar e pilhar o que havia restado do Paraguai. Nesse processo é relevante a "Campanha das Cordilheiras", quando Lopez reúne o que sobrou dos seus combatentes, uma tropa de moribundos, maltrapilhos e famélicos, composta quase que exclusivamente por velhos, adolescentes e crianças, totalizando 5 mil almas que foram covardemente chacinadas por 12 mil soldados sob as ordens do Conde D'Eu. Testemunhas relatam que o Conde D'Eu, exasperado pela resistência paraguaia nada fez para impedir a "degola" indiscriminada de modo que não houvessem prisioneiros - a "degola" foi incorporada as tropas e institucionalizada pelo exercito com a guerra. Relatos dão conta de que após o combate ordenou ainda que incendiassem o campo, matando carbonizados ou sufocados os feridos caídos na batalha. Em 1º de março de 1870, após o cerco de Cerro Corá e o assassinato covarde de Solano López , eufóricas e descontroladas as tropas brasileiras assassinaram civis, saquearam e incendiaram ranchos e acampamentos, executando prisioneiros, feridos e doentes pelo caminho. Testemunhas afirmam que o major Floriano Peixoto ao ver o cadáver de Solano Lopez admira-se: "Como este, o Brasil precisa de alguns." A viúva de Lopez, por sua vez, vendo o cadáver do marido e do filho de 15 anos mortos pelas tropas brasileiras questiona o jovem major: "Essa era a civilização que vocês iam trazer ao Paraguai?" Ao final, 1/3 da população paraguaia estava exterminada, sobretudo, homens jovens e adultos.

Revolta Federalista ou "Revolução das Degolas" (1893 - 1895): Conflito de caráter político entre os federalistas e os republicanos do Rio Grande do Sul. Devido o caráter político do conflito, logo expandiu-se por toda a região até alcançar dimensões nacionais. Nesse contexto e diante das hostilidades iniciadas pelos federalistas e do seu avanço, a União envia tropas em apoio ao governo gaúcho dos republicanos. As vitórias federalistas avançam pelas fronteiras gaúchas, alcançando Santa Catarina e o Paraná. O confronto politico regional toma dimensões de Golpe de Estado e o "Marechal de Ferro" é severo na repressão. A contabilidade macabra estima em pelo menos 10 mil mortos e incontáveis feridos. A prática da "degola", herança do Paraguai, torna-se procedimento corriqueiro entre as forças militares em combate. Registram-se os massacres e excessos em batalhas como as do Rio Negro e o Combate do Boi Preto, que rivalizavam e celebrizaram os "degoladores" Latorre e Cherengue. Conta-se que precediam a degola as torturas, humilhações e zombarias, quase sempre acompanhado-se antes da castração do prisioneiro rendido e indefeso.

Crianças levadas de Canudos como troféus de Guerra.
Guerra de Canudos (1896 - 1897 - 10 meses): Conflito entre tropas do exercito e a comunidade de Canudos. Canudos era um aglomerado de famílias miseráveis que se reuniu em um pedaço de terra ao redor de um beato. A época, Canudos era a segunda maio cidade da Bahia e se organizava de forma comunitária (autogestionária) - sem patrões, latifundiários, polícia e violência. Conforme vivessem a margem do poder central e dos latifúndios, despertavam tanto a desconfiança quanto o desprezo e a raiva deles, posto que não tinham nem influencia ou controle algum sobre eles. Assim incomodavam os proprietários de terra, comerciantes, a igreja e os coronéis, políticos e autoridades locais que temiam pelos seus interesses devido as proporções que o agrupamento ia tomando e a fama e influencia do beato se alastrando entre os incontáveis miseráveis e despossuídos do sertão.

A recém instaurada Republica precisava tanto se autoafirmar quanto testar as tropas - Republica resultante de um Golpe de Estado militar sem tiros e sem povo -, bem como evitar qualquer tipo de ameaça interna ou externa e revoltas de caráter monarquista ou separatista. Euclides da Cunha era ex-militar, engenheiro e jornalista, cobrindo a guerra de Canudos pelo jornal O Estado de São Paulo. Quando foi ao arraial de Canudos tinha convicção de que se tratava de um levante monarquista. A distância das capitais e dos grandes centros do sertão e interior do país marcava-se não apenas geograficamente, sobretudo, econômica e culturalmente. O resto da historia é conhecida e consta da sua obra épica "Os sertões" -  denuncia contundente da miséria e abandono do sertão, da opressão e exploração no campo e da violência cruel e covarde do exercito contra o povo sofrido, forte e corajoso. Em 10 meses de combates após o primeiro ataque militar, estima-se em 25 mil o total de mortos no confronto, 3/4 das baixas somente entre os civis. A época o contingente do exército brasileiro era de aproximadamente 25 mil soldados e, contra Canudos metade dele foi mobilizado. No ultimo ataque os militares incendiaram todo o povoado, assassinando grande parte da sua população, degolando os prisioneiros homens. Consta que os sertanejos acreditavam na crença de que se o homem fosse morto passado no fio da espada, a sua alma não alcançaria o céu, permanecendo vagando pela terra, assim, impregnados de extrema crueldade, os soldados do exercito os assassinavam atravessados pela espada ou degolando-os - com o evidente objetivo também de poupar munição.

Prisioneiros (crianças) no Contestado.
Guerra do Contestado (1912 - 1916):  Grosso modo, o Contestado foi um conflito semelhante a Canudos - com as mesmas e principais características (terra, poder e fé). Cinco anos de lutas entre o "Exercito Encantado de São Sebastião" - aproximadamente 10 mil homens - e as Forças Armadas e de Segurança  - cerca de 8 mil homens - encerraram-se com aproximadamente 9 mil casas queimadas e 20 mil mortos e desaparecidos entre a  população civil - estimam-se em 8 mil mortos os combatentes civis e entre 800 e mil os militares.

Eis algumas das obras do glorioso Exercito Brasileiro! Orgulho nacional, protetor do povo, defensor da pátria! O resto é história recente sobre os milhares de presos, torturados, perseguidos, exilados, desaparecidos e mortos no Estado Novo e na Ditadura de 64/85, passando pela intervenção militar brasileira no Haiti, os milhões de assassinados pelo Estado na "democracia" e a recente "pacificação"- ocupação militar das comunidades cariocas pelas Forças Armadas e de segurança. Porque os fatos são verdades históricas, a despeito da farsa oficial repetida pelo Estado autoritário e os donos do poder.

Referencias

ESCOBAR, Wenceslau. Apontamentos sobre a Revolução de 1893.

QUEIROZ, Maurício Vinhas de. Messianismo e Conflito Social – A Guerra Sertaneja do Contestado: 1912/1916.


CUNHA, Euclides. Os Sertões - Campanha de Canudos.


https://www.youtube.com/watch?v=gGcMuGxTf_A



Cruz dos Degolados - São Martinho da Serra (RS). 




Um comentário: