terça-feira, 14 de julho de 2020

Reverso do avesso...

Cai a noite.
Insondável como o tempo;
Já não sou mais aquele de outrora.
Tampouco o que sonhara.
Foram-se os dias, os sonhos e ilusões.
Passaram os amigos, amores, esperanças, desilusões.
O véu desgastado rasgou.
E o horizonte é só um ponto insignificante distante.
De um lado e outro.
A vida é curta e frágil como a infância.
Repleta de esperanças, fantasias, encanto, potência.
E o mundo é de pedra e água.
Tudo flui e arrasta.
Limita e esmaga.
E evapora, reduz-se a pó...

terça-feira, 16 de junho de 2020

Homenagem à minha terra.



Sou o homem do pó;
Fumaça e fuligem.
Da terra da névoa e vertigem.
Do aço frio e do fogo sombrio.
Do progresso e do porvir;
Inexoráveis e idílicos.
Enquanto eu sobrevivia;
A morte pavimentava os caminhos da miséria;
E o futuro ampliava o horizonte da civilização;
De bárbaros ávidos por fronteiras e monumentos;
Emolumentos sobre terras encharcadas de suor e sangue.
Eu cresci admirando bandeiras e conquistadores.
Enquanto meus antepassados moribundos ornamentavam a aurora do ocaso.
Sou o filho da terra de homens descalços e despidos de humanidade, cuja honra é sobreviver e cultivar pó, fumo e fuligem...

sexta-feira, 29 de maio de 2020

Quarentena.

Quero ver os pássaros passando,
Ouvir o vento voar,
Dissipar os pensamentos.

A minha alma é como uma folha,
Errando pelo ar,
Consumida,
Vadia, 
Que sucumbe, alimenta e sacia a vida de coisas simples e insignificantes que o sopro anima e a brisa acaricia. 

Quero ouvir a noite chegando,
O dia surgindo,
A vigília suave despedindo-se com a aurora insípida,
Cheiros indecisos, sons indeléveis de sonhos caídos.

Vidas perdidas, desperdiçadas, vazias, arredias. 
Uma palavra para auscultar,
Alegorias.

Sussurro pensamentos insondáveis,
Gemidos incompreensíveis,
Sínteses indizíveis.
Sobre pessoas inenarráveis,
Sonhos implacáveis,
Caminhos infinitos,
Versos medíocres.

quarta-feira, 4 de março de 2020

Subúrbio punk


Nasci e cresci em Pirituba, bairro suburbano da capital paulista. Me recordo que lá, nos anos 80 havia muitos punks. Na rua 4 morava o Mingau – atual baixista do Ultraje à Rigor e que naquela época era um dos fundadores do Ratos de Porão. O primo dele, o Marcelo Onça, era um dos punks mais gente fina do bairro e tinha mais ou menos a minha idade, cerca de 5 anos mais velho. Embora usasse um visual agressivo, conversava com todo mundo e buscava cooptar a molecada pro movimento. 



No final dos anos 80, quando entrei na adolescência, a democracia engatinhava. Eu era skatista em 88, aos 13 anos. Foi nesse momento que comecei a ouvir o som punk. A rua 4 era uma das preferidas da molecada do skate. Era uma ladeira boa que terminava numa baixada plana, em que começava uma subida suave. Isto é, de ambos os lados se podia descer pra “varar” a rampa ao seu final. Formavam-se filas de skatistas na rua pra descer e pular a rampa, as vezes, até uns bikers a encaravam. A ladeira também era point do pessoal mais chegado no downhill. Caí muito nessa pista e tenho algumas cicatrizes desse tempo até hoje.


As vezes ficava andando até a noite e me recordo dos punks na frente da casa deles. Muitas vezes o Marcelo me chamava pra conversar e foi assim que tive acesso ao som punk. Nessa época, eu estava começando a pixar. Lembro que uma vez eu estava com uma lata de spray e acabamos com ela no muro da casa dele, pixando além da minha marca, vários protestos e silks punks. Chamo de silk aqueles moldes feitos com chapa de radiografia em que se encosta o molde na parede e desce a tinta por cima. Eram silks do Exploited, Toy Dolls, Ratos, Dead Kennedys. 


O bairro que eu cresci surgiu em função da ferrovia, assim como a Lapa. Há, aqui e ali, na Lapa e Pirituba resquícios da ocupação operária inglesa. Cresceram indústrias diversas no entorno da ferrovia, como a Siemens, Voith, Martins Ferreira, Fritz Dobert, Santa Marina. Entre as estações do Piqueri e de Pirituba, havia uma vila de trabalhadores ferroviários. Lá tinha um galpão que funcionava como área de lazer e clube. Lembro que nessa época, às vezes, aconteciam festas punks lá. Perto da estação de Pirituba tinha ainda a Casa de Nassau, um espaço da cultura holandesa enfiado nos confins de São Paulo. Pois bem, era nesses locais que aconteciam shows, festas e tretas entre as gangues punks e skins - depois vieram as noitadas do rap, hip hop e funk com as suas tretas também. 


Lembro que uma vez, rolou um confronto monstro num desses locais, com muitos feridos e detidos, após uma invasão pelos Carecas do Subúrbio do ABC. Depois dessa treta, eu arranjei um soco inglês e um canivete e andava sempre com eles. Nunca usei nenhum deles. Nem sei que fim tiveram. Só me recordo que logo em seguida teve outra treta horrorosa no show do Toy Dolls em Sampa, quando um skin – acho que era um tal de “Paraná” - subiu no palco e deu uma porrada na cara do Olga, vocalista da banda. 


Enfim, o que eu lembro dessa época, é que aconteciam muitas apresentações de bandas, como Inocentes, Olho Seco, Ratos, Vírus 27, Condutores de Cadáver, Restos de Nada. As tretas eram sempre feias mas, não morria ninguém. Depois vieram o crime, o tráfico e as armas e os cadáveres se multiplicaram. Acabaram as disputas por questões territoriais de gangue e começaram as por "mercado" de drogas - quando a lógica do capitalismo se impõe é assim. Peguei essa época e testemunhei a decadência que segue. Fim da estória e do romantismo suburbano....


domingo, 1 de março de 2020

Serviço Social e América Latina: a atualidade da teoria crítica diante da ofensiva neoliberal e autoritária


Serviço Social e América Latina: a atualidade da teoria crítica diante da ofensiva neoliberal e autoritária[1].

Mario Miranda Antonio Junior[2]



As tendências teóricas do Serviço Social na América Latina, inserem-se no contexto da oposição e resistência às ditaduras militares instauradas no continente entre os anos 60 e 70 do século XX e a redemocratização à partir dos anos 80 - no Brasil esse movimento surge no final da década de 70 e ficou conhecido como “movimento de reconceituação do Serviço Social”. Com exceção de Cuba, esse processo caracteriza a América Latina em geral, sobretudo, a parte Sul do continente, dominada nesse período por ditaduras militares de extrema-direita. Assim, essa reflexão propõe debater tais tendências no contexto brasileiro à luz das transformações políticas na América Latina, inserida na ordem do capitalismo dependente e periférico.
Do ponto de vista sociopolítico, é importante destacar dois aspectos fundamentais nesse processo: a Guerra Fria e a histórica hegemonia norte americana no continente. Há ainda, do ponto de vista econômico, a crise do Welfare State na Europa nos anos 70 e a ascensão do neoliberalismo. Após a Segunda Guerra, sobretudo nos anos 50 e 60, os movimentos anticolonialistas avançam na África, Ásia e no mundo árabe, culminando em longos conflitos e a perda de importantes mercados para as nações capitalistas centrais, colocando a América Latina em evidência. É nesse pano de fundo que se dá o debate das ciências sociais sobre o capitalismo na América Latina, no bojo do seu processo histórico de formação social e o modo de produção no estágio da acumulação primitiva do capital (MARX, 1989).  Assim, esses são os determinantes objetivos que demandam e privilegiam à teoria crítica como interlocutora do Serviço Social no seu processo de reconceituação teórico-prático. 
De fato, na perspectiva do materialismo histórico, Marx sinaliza que o processo de acumulação primitiva remonta ao período do Renascimento, entre os séculos XIV e XVI, variando conforme as regiões por toda a Europa. Período em que ocorre a ascensão da burguesia manufatureira e mercantil, o fim da servidão, as grandes navegações e descobrimentos e o estabelecimento dos Estados Absolutistas. Assim, destaca:

“O prelúdio da revolução que criou a base do modo capitalista de produção ocorreu no último terço do século XV e nas primeiras décadas do século XVI. Com a dissolução das vassalagens feudais, é lançada ao mercado de trabalho uma massa de proletários, de indivíduos sem direitos, que “por toda parte enchiam inutilmente os solares”, conforme observa acertadamente Sir James Stewart. Embora o poder real, produto do desenvolvimento burguês, em seu esforço pela soberania absoluta, acelerasse pela força a dissolução das vassalagens, não foi de modo algum a causa dela.” (MARX, 1989, p. 833).

O processo de acumulação primitiva, que produz tanto o assalariado quanto o capitalista, conforme Marx, “tem suas raízes na sujeição do trabalhador”. Contudo, foi um processo gradual em que inúmeros fatores convergiram para a ascensão da burguesia e o desenvolvimento da acumulação primitiva. O Renascimento foi fundamental, no entanto, a Reforma Protestante não foi menos importante. Aliás, a Reforma é produto do Renascimento. Nos países protestantes a burguesia melhor se estabelece e desenvolve, conforme a maior tolerância em relação à usura e aos negócios, a ciência e a imprensa, a glorificação do trabalho e da parcimônia, liberdade de culto e dos dogmas da igreja católica, separação entre Estado e Igreja - não no sentido de “Estado laico”, mas, de igreja nacional ao invés de subordinação ao Papa. Assim o Protestantismo logo se espalhou pela Inglaterra, Escócia, Suíça, Holanda, França, Dinamarca, Suécia, Alemanha.
Nessa perspectiva, tanto a invenção da prensa de Gutenberg quanto a Reforma Protestante foram determinantes para a consolidação da burguesia, expressões acabadas da liberdade de pensamento, expressão e de produzir conhecimento e novas relações sociais. A primeira pôs fim ao monopólio da produção do conhecimento pela Igreja Católica, a outra estabeleceu a ética protestante em contraposição à escolástica, disseminando a ideia do labor em oposição à contemplação. Da prosperidade, parcimônia e tolerância em oposição à pobreza, a opulência e a ortodoxia - os alicerces da ética burguesa, conforme Weber (1999). Temos aqui, a base ideológica para a “sujeição do trabalhador” indicada por Marx (1989) nas origens do capitalismo. 
Perry Anderson (1989), por sua vez destaca que o Renascimento foi fundamental para a consolidação do Estado absolutista moderno, pelo redescobrimento do direito romano e da tradição política grega clássica. As diversas transformações que ocorreram na Europa entre os séculos XV e XVI alteraram profundamente a correlação de forças, consolidando a burguesia enquanto classe ascendente, sepultando de uma vez por todas a sociedade medieval. As mudanças estabelecidas no âmbito da vida econômica e cultural na Europa exigiram, consequentemente, modificações na estrutura política. Assim, segundo Anderson (1989):
 “A superioridade do direito romano para a prática mercantil nas cidades residia pois não somente nas suas noções claras de propriedade absoluta, mas também nas suas tradições de equidade, nos seus critérios racionais de prova e no relevo dado a uma magistratura profissional, vantagens que os tribunais consuetudinários normalmente não ofereciam. A aceitação do direito na Europa renascentista era assim um sinal da difusão das relações capitalistas nas cidades e no campo: economicamente ela correspondia aos interesses vitais da burguesia comercial e manufatureira”. (Anderson, 1998, p. 26).

O desenvolvimento da ideia de propriedade privada absoluta na sociedade decorre do incremento da produção, da ampliação da divisão do trabalho e da complexidade das relações sociais demandando maior centralização do poder político. A ascensão de uma nova classe social - a burguesia - e a ampliação do comércio impõem medidas que culminam com a consolidação dos Estados Absolutistas no Ocidente.

“As monarquias absolutas introduziram o exército permanente, uma burocracia permanente, o sistema fiscal nacional, a codificação do direito e os princípios do mercado unificado. Todas estas características parecem ser eminentemente capitalistas: uma vez que coincidem com o desaparecimento da servidão, uma instituição nuclear do modo de produção feudal original na Europa, as descrições do Absolutismo por Marx e Engels como um sistema de Estado representativo de um equilíbrio entre a burguesia e a nobreza, ou mesmo como uma dominação total do próprio capital, sempre pareceram plausíveis”. (Anderson, 1989, p. 15).

Entre os séculos XIV e XVI, Marx observa que dá-se na Inglaterra, ao lado do fim da servidão, a expropriação de terras dos camponeses e dos bens da Igreja Católica, adquiridos pela burguesia ascendente, produzindo uma massa imensa de mão de obra barata e disponível à exploração pela nova classe detentora da propriedade e meios de produção. Esse processo, culmina naquilo que Marx chamará de “legislação sanguinária contra os expropriados à partir do século XV”, de modo a sujeitá-los à nova ordem. Assim, explica:
“Os que foram expulsos de suas terras com a dissolução das vassalagens feudais e com a expropriação intermitente e violenta, esse proletariado sem direitos, não podiam ser absorvidos pela manufatura nascente com a mesma rapidez com que se tornavam disponíveis. Bruscamente arrancados das suas condições habituais de existência, não podiam enquadrar-se, da noite para o dia, na disciplina exigida pela nova situação. Muitos se transformaram em mendigos, ladrões, vagabundos, em parte por inclinação, mas na maioria dos casos por força das circunstâncias. Daí ter surgido em toda em toda a Europa ocidental, no fim do século XV e no decurso do XVI uma legislação sanguinária contra a vadiagem. Os ancestrais da classe trabalhadora atual foram punidos inicialmente por se transformarem em vagabundos e indigentes, transformação que lhes era imposta”. (MARX, 1989, p. 851).

Não é um processo linear e cumulativo de ações e acontecimentos iniciados no Renascimento que culminam com a ascensão da burguesia - e do capitalismo -, mas, a totalidade de transformações econômicas, sociais e políticas é que a consolida como classe hegemônica na disputa com a nobreza nos estertores do feudalismo.
Outro acontecimento importante na ascensão da burguesia e determinante para a expansão marítima e comercial e, consequentemente, os descobrimentos, a colonização e a acumulação primitiva foram as Cruzadas - movimento militar-cristão com o objetivo de combater os muçulmanos e ocupar a Palestina (Terra Santa). As Cruzadas se iniciaram no século XI e estenderam-se até o XIII, ao longo de nove expedições militares ao mundo árabe. Por sua vez, o fracasso do movimento em expulsar os muçulmanos e ocupar a região, enfraqueceu a nobreza e o clero na Europa, ampliou a crise econômica, conforme endividou os reinos e paralisou o comércio com o oriente. Esse cenário favoreceu o incremento da manufatura e a busca de novas rotas de comércio e mercados, sobretudo no norte da África, ocupada pelos portugueses desde o início do século XV - Ceuta em 1415. Por fim, a luta contra os muçulmanos prosseguiu até o final do século XV na Europa - Granada, 1492 -, quando finalmente os árabes - e judeus - foram expulsos da Península Ibérica, consolidando definitivamente os reinos de Portugal e Espanha como reinos guerreiros, conquistadores e navegadores.

A conquista da América e o processo de acumulação primitiva
Grosso modo, conforme Marx, “o segredo da acumulação primitiva” nada guarda de “idílico”. Ao contrário, caracteriza-se “pela conquista, pela escravização, pela rapina e pelo assassinato, em suma, pela violência”. Em O Capital, o modo como deu-se a empresa colonial é bastante claro:
“As descobertas de ouro e de prata na América, o extermínio, a escravização das populações indígenas, forçadas a trabalhar no interior das minas, o início da conquista e pilhagem das Índias Orientais e a transformação da África num vasto campo de caçada lucrativa são os acontecimentos que marcam os albores da era da produção capitalista. Esses processos idílicos são fatores fundamentais da acumulação primitiva. Logo segue a guerra comercial entre as nações europeias, tendo o mundo por palco. Inicia-se com a revolução dos Países Baixos contra a Espanha, assume enormes dimensões com a guerra antijacobina da Inglaterra, prossegue com a guerra do ópio contra a China, etc”. (MARX, 1989, p. 868).
Em “As veias abertas da América Latina”, Galeano (1978) lembra ainda que “o Papa Alexandre VI, que era espanhol, converteu a rainha Isabel em dona e senhora do Novo Mundo. A expansão do reino de Castela ampliava o reino de Deus sobre a Terra”. Bulas papais, no século XV, já haviam feito Portugal senhor de territórios não cristianizados conquistados na África, consignando a exploração e a escravidão perpétua aos pagãos. Por fim, o Tratado de Tordesilhas se encarrega de dividir o Novo Mundo entre portugueses e espanhóis, iniciando a pilhagem e a exploração sistemática dos recursos do continente e o extermínio dos seus povos originários.
De acordo com Marx, esses novos capitalistas mercantis depuseram “os mestres das corporações e os senhores feudais” que controlavam a manufatura produtora de bens e riquezas na Europa. Isto é, a ascensão da burguesia mercantil e manufatureira representa o triunfo “contra o poder feudal e seus privilégios revoltantes, contra as corporações e os embaraços que elas criavam ao livre desenvolvimento da produção e a à livre exploração do homem pelo homem” (MARX, 1989, p. 830). Assim, a acumulação primitiva consiste no “processo histórico que dissocia o trabalhador dos meios de produção”.
No contexto latino-americano, embora caracterizada pela exploração predatória, a pilhagem, a escravização e a violência, a obra da colonização deu-se de forma distinta pelo continente, conforme o estágio de desenvolvimento das forças produtivas e as características culturais das metrópoles correspondentes. É indiscutível, porém, conforme Siqueira da Silva (2019) que a “América Latina sempre cumpriu um papel estratégico na gênese, na consolidação e no aprofundamento da sociedade do capital”. Assim, Prado Júnior (1962), explica o caráter da colonização brasileira destacando que para um país de comerciantes e população reduzida como Portugal, não restava outra alternativa à Coroa senão partilhar o ônus da exploração com a burguesia local, repartindo o território em Capitanias Hereditárias - processo adotado antes nos Açores e na Madeira - e fornecendo concessões para a exploração do Pau-Brasil.
De fato, na história do ocidente a consolidação do Estado português constituiu-se em um processo que passou à margem das grandes transformações que abalaram a sociedade europeia feudal – Renascimento, Reforma Protestante e as revoluções científicas que indicaram a racionalização das relações sociais. Freyre (1963), Holanda (1963), Faoro (1989), Prado Júnior (1962) e Fernandes (1981), dentre outros, destacaram a ordem senhorial como o traço típico da formação social brasileira derivada da colonização portuguesa. O primeiro enfatizou a tradição patriarcal da família lusitana.
Deste modo, conforme Freyre (1963), no Brasil, a empresa da colonização se deve a "corajosa iniciativa particular" do colonizador português, que “concorrendo às sesmarias, dispôs-se a vir povoar e defender militarmente, como era exigência real”. Desenvolveu-se aqui uma sociedade “defendida menos pela ação oficial do que pelo braço e pela espada do particular.” Assentada na família rural patriarcal constituir-se-ia em uma “força social que se desdobra em política.” Argumenta que do século XVI ao XVIII a colonização portuguesa no Brasil se caracteriza pelo domínio quase que exclusivo da família rural organizada em torno da monocultura do Engenho – parâmetro para a produção econômica e organização social. Para ele, a obra da colonização brasileira deveu-se a família e não ao indivíduo e, menos ainda, ao Estado português ou a alguma companhia burguesa de comércio, como se fosse possível a produção da colônia de caráter agro-extrativista e exportadora, qualquer autonomia em relação às grandes empresas capitalistas e ao controle do mercado pela Europa.
O papel central exercido pelas relações familiares na formação social brasileira seria também para Holanda (1963) o que distinguiria a colonização portuguesa das demais na América. Assim, destaca que a sociedade portuguesa, “estreitamente vinculada à ideia de escravidão em que mesmo os filhos são apenas os membros livres desse organismo inteiramente subordinado ao patriarca”, caracteriza-se, por um princípio de autoridade originário da esfera doméstica que vai constituir-se no “suporte mais estável da sociedade colonial”. Aí estariam as origens da indiferenciação entre público e privado, quando o ambiente doméstico oferece o parâmetro para as relações sociais e acompanha o indivíduo mesmo quando este já se situa fora dele.
Faoro (1989), por sua vez, ressalta que a Península Ibérica caracteriza-se por constituir a sua sociedade ”sob os signos da guerra e da conquista”. O período turbulento de consolidação do Estado português observa o autor, privilegiou o desenvolvimento de uma “concepção ibérica da natureza humana”, uma “cultura da personalidade” que se definia pelo valor dado à autonomia do homem e a ausência de qualquer tipo de dependência. Conforme salienta Faoro (1989), privilegia, sobretudo, a inexorável centralização do poder na ordem do absolutismo lusitano, de modo que “tudo pertencia ao rei: senhor da terra, da guerra, do comércio.”
Prado Júnior (1962), por sua vez, aponta que o aspecto “mais profundo da colonização reside na forma pela qual se distribuiu a terra”. Deste modo, nesse processo em que “a grande exploração absorve a terra, o senhor rural monopoliza a riqueza e com ela seus atributos naturais: o prestígio, o domínio.” Conforme “a superfície do solo e seus recursos naturais” eram as únicas riquezas dessas terras, destaca:

“Aqui, só uma riqueza: os recursos naturais; daí uma só forma de exploração: a agricultura ou pecuária, subordinadas ambas a posse fundiária. Assim um povo de comerciantes que fazia um século se afastara do cultivo do solo para se dedicar de preferência à especulação mercantil, era novamente arrastado para o amanho da terra” (PRADO JÚNIOR, 1962, p. 14).

Temos aí a origem da concentração dos poderes econômicos, políticos e do latifúndio. De acordo com os referidos autores, o centro de toda organização social na colônia seria a família rural patriarcal, assentada nas grandes propriedades e na monocultura escravocrata, estabelecida na ordem do Estado patrimonial português, submetida à força pela ordem senhorial - “na propriedade quem domina incontestavelmente é o senhor”. Conforme Prado Júnior (1962), a ordem social na colônia resulta da “simplicidade da infraestrutura econômica - a terra, única força produtiva, absorvida pela grande exploração agrícola - deriva a da estrutura social: a reduzida classe de proprietários, e a grande massa que trabalha e produz, explorada e oprimida”.
É importante destacar algumas observações sobre os respectivos autores do pensamento político e social brasileiro e as suas obras. Caio Prado Júnior, Gilberto Freyre e Sérgio Buarque de Holanda escreveram na década de 30, momento de transformações políticas, econômicas e sociais no país, resultado das agitações e lutas que se seguiram no pós-Grande Guerra e durante os anos 20. Nesse período, podemos destacar, do ponto de vista cultural, o movimento Modernista, do político o anarcossindicalismo, o Tenentismo e a fundação do PCB e, do ponto de vista econômico, a crescente urbanização e industrialização com a ascensão da classe média urbana, a crise decorrente da Grande Guerra, o desgaste do pacto oligárquico nacional e a quebra da bolsa de Nova Iorque em 1929. O período compreendido entre os anos 20 e 30 é de modernização do Estado, da sociedade, da economia e da política no país.
Do ponto de vista objetivo, Caio Prado Júnior foi quem introduziu o método de investigação marxista no país com “Evolução política do Brasil”, publicado em 1933. Nessa obra, evidencia-se tanto a primazia do “modo de produção”, quanto a “luta de classes” na abordagem do processo histórico brasileiro. Embora o livro “Agrarismo e Industrialismo” de Octávio Brandão tenha sido publicado em 1926, a obra de Caio Prado Júnior é a que segue o método materialista dialético à rigor, não apenas utilizando-se de categorias do marxismo-leninismo na interpretação da realidade. Ambos, a época do lançamento dos seus livros, já eram quadros do PCB.
Sérgio Buarque de Holanda, por sua vez, é o introdutor no país do método interpretativo de Weber. Em “Raízes do Brasil” de 1936, ensaio sobre a formação social brasileira, ele formula por meio dos “tipos ideais” o conceito de “homem cordial” e analisa os conceitos de “patrimonialismo” e “burocracia”, categorias emblemáticas da sociologia de Weber. Freyre em Casa Grande e Senzala de 1933 aponta o patriarcalismo, o espírito aventureiro e a capacidade de adaptar-se - ao clima, a natureza, a terra e aos nativos - do português, assim, destaca o caráter funcional da colonização, na tradição da sociologia “funcionalista”. Eis os fundadores do pensamento político e social brasileiro, aplicando os distintos métodos das Ciências Sociais na abordagem do nosso processo histórico.
Após duas décadas, quando Faoro publica “Os donos do poder: formação do patronato brasileiro” já estamos à época do Plano de Metas e da CEPAL, as portas dos anos 60 e em meio a Guerra Fria. Aqui ele aprofunda, na tradição da abordagem weberiana o conceito de “patrimonialismo” e as suas origens ibéricas. Em Faoro não existe um projeto nacional para o povo, apenas manutenção do poder estamental-burocrático, responsável pelo atraso e a persistência de instituições arcaicas.
 Florestan, como Caio Prado Júnior, constrói a sua análise na perspectiva do materialismo dialético, dialogando com a “Teoria da Dependência”, já em 1975. Assim, para ele, antes de mais nada não é possível “associar, legitimamente, o senhor de engenho ao “burguês” (nem a aristocracia agrária à “burguesia”)”. Dito isso, a aristocracia agrária e escravocrata brasileira surge “fora e acima dos marcos históricos-culturais do mundo social europeu” que deu origem a burguesia, classe revolucionária que logrou suplantar a ordem feudal na disputa pela hegemonia com a nobreza. No interior do processo de “mercantilização da produção agrária”, o senhor de engenho ocupava “posição marginal” como “agente econômico especializado”, cujo objetivo era apenas o de “gerar riquezas para a apropriação colonial”. Deste modo:
“Uma das consequências dessa condição consistia em que ele próprio, malgrado seus privilégios sociais, entrava no circuito da apropriação colonial como parte dependente e sujeita a modalidades inexoráveis de expropriação controladas fiscalmente pela Coroa ou economicamente pelos grupos financeiros europeus, que dominavam o mercado internacional”. (FERNANDES, 2006, p. 33).
Para Florestan, “nada justificaria assimilar o senhor de engenho ao burguês, e é um contra-senso pretender que a história da burguesia emerge com a colonização”. Trata-se de buscar nos elementos estruturais e operacionais as condições fundamentais para o surgimento e o “desenvolvimento da “burguesia”, à luz do modo de produção típico na ordem do capitalismo dependente e periférico e do “padrão de civilização que orientou e continua a orientar a “vocação histórica” do povo brasileiro”.
Como Prado Júnior, Fernandes (1981) foi um intelectual militante, comprometido e engajado nas lutas da classe trabalhadora. A sua “sociologia militante”, se posicionava e entendia-se “fora e acima das universidades e instituições de pesquisas”, consciente de que “aprendemos e amadurecemos a cada convulsão que afeta o destino de nossos povos”. Florestan considera os países latino-americanos no âmbito do “dilema do capitalismo dependente”, produtos da “expansão da civilização ocidental”, isto é, um tipo moderno de colonialismo organizado e sistemático”. Assim, estabelece-se a adesão voluntária e “dependente ao espaço econômico, cultural e político das sucessivas nações capitalistas hegemônicas”.
Considerando o incipiente estágio de desenvolvimento das forças produtivas de Portugal e Espanha no século XVI, Fernandes (1981) destaca que não eram suficientemente robustas para prover as “atividades mercantis” decorrentes da “descoberta, exploração e o crescimento das colônias”. Por essa razão, associam-se aos capitalistas dos Países Baixos e Veneza em busca da tecnologia, do capital, equipamentos e do mercado internacional, desempenhando meramente o papel de intermediários ou sócios subalternos no negócio.
As transformações políticas, econômicas e sociais ocorridas na Europa desde o final do século XVIII e início do XIX, sobretudo, em decorrência da Revolução Industrial, corroem as bases da dominação pelo controle econômico das potências centrais e intermediárias nas colônias.  Fernandes (1981) demonstra como esse processo gradualmente determinou “mudanças nos padrões existentes de dominação externa”, alcançando todas as “esferas da economia, da sociedade e da cultura”. Deste modo, é categórico:

“Assim a dominação externa tornou-se imperialista, e o capitalismo dependente surgiu como uma realidade histórica na América Latina”. (FERNANDES, 1981, p. 16).

Imperialismo, dependência e Serviço Social na América Latina

A reorganização da economia mundial, a partir da segunda metade do século XIX, promove o incremento e ampliação da subordinação latino-americana às nações “desenvolvidas”, conforme sinalizado por Marx, Engels e Lênin. De acordo com a expansão da indústria, o avanço da tecnologia e a incorporação de mercados através da força, tanto o capital europeu - sobretudo o inglês -, quanto o norte-americano crescem de maneira espantosa nesse período. Assim,  Siqueira da Silva (2019) destaca:

“A crise capitalista desse momento (1873-1896) – considerada a primeira Grande Depressão – e o intenso movimento operário da segunda metade desse século que acirrou mundialmente a luta de classes – esse último, presenciado e estudado em detalhes por Marx e Engels no conjunto de suas obras –, anunciaram uma forte reestruturação capitalista visando gerenciar a primeira grande crise estrutural do capital e retomar níveis ótimos de acumulação. Era o alvorecer da era monopolista do capital, como “fase superior do capitalismo” (LENIN, 2008), predominantemente centrada em três fortes pilares: a) a fusão de grandes grupos econômicos até então concorrentes, formando monopólios exercidos por meio de cartéis e trustes; b) o adensamento contínuo da financeirização e de seus desdobramentos, processo este possível por meio da fusão entre o velho capital bancário e o capital industrial; c) a captura orgânica dos estados nacionais como elementos intrínsecos à acumulação capitalista, momento em que os fundos públicos são fortemente utilizados para incrementar a acumulação”. (SIQUEIRA DA SILVA, 2019, p. 03).

Enquanto os capitalistas europeus avançam sobre a África e a Ásia[3], os norte-americanos cravam as suas garras sobre a América Latina. O interesse norte-americano pelo controle e a hegemonia no continente remonta a época da “Doutrina Monroe”(1823), estratégia política, econômica e militar que defendia a “América para os americanos”, assentada em três pilares: não aceitação da criação de novas colônias no continente pela Europa, não interferência americana em conflitos europeus e rejeição a interferência europeia em conflitos internos no continente americano. A “Doutrina Monroe” se insere no contexto da longa guerra pela independência dos Estados Unidos contra a Inglaterra e as guerras de independência da América Espanhola entre 1809 e meados do século - do México ao Uruguai. É nesse cenário que os americanos se impõe no continente, avançando sobre territórios mexicanos na década de 40 do século XIX e em Cuba, Porto Rico, Panamá e até as Filipinas na Guerra Hispano-Americana no final da década de 90.
Brunschwig (1974), em “A partilha da África Negra” explica como o continente africano foi dividido pelas principais potências europeias na Conferência de Berlim em 1885. Assim, a Ata Geral redigida em Berlim em 26 de fevereiro de 1885, cujos signatários são a Alemanha, França, Império Austro-Húngaro, Bélgica, Dinamarca, Espanha, Estados Unidos, Grã-Bretanha, Itália, Países Baixos, Portugal, Rússia, Suécia, Noruega e o Império Otomano buscava regulamentar a liberdade de comércio no continente, a navegação e novas ocupações na costa ocidental africana, proibindo a escravização e o seu comércio e estabelecendo a proteção de colonos e seus bens, a garantia de “aquisição e transmissão de suas propriedades mobiliárias e imobiliárias” e a não concessão de monopólios ou privilégios “de nenhuma espécie em matéria comercial” pelos signatários. 
Em “Imperialismo fase superior do Capitalismo”, Lênin (1982) explica que além da “partilha territorial do globo entre as grandes potências capitalistas”, a  “fusão do capital bancário e do industrial” formando uma “oligarquia financeira”, é imperativo a “exportação de capitais” e a “formação de uniões internacionais monopolistas” - trustes e cartéis. Assim, define esse estágio de desenvolvimento da produção como a “fase monopolista do capitalismo”, considerando que o “monopólio constitui a passagem do capitalismo a um regime superior”.

“O que caracteriza particularmente o capitalismo atual é o domínio dos grupos monopolistas constituídos por grandes empresários. Estes monopólios tornam-se sólidos sobretudo quando reúnem apenas em suas mãos todas as fontes de matérias-primas e nós vimos com que ardor os grupos monopolistas internacionais dirigem os seus esforços no sentido de arrancarem ao adversário toda a possibilidade de concorrência, de se apoderarem, por exemplo, das jazidas de ferro ou de petróleo, etc. Somente a posse de colônias dá ao monopólio completas garantias de sucesso face a todas as eventualidades da luta contra os seus rivais, mesmo na hipótese de estes últimos ousarem defender-se com uma lei que estabeleça o monopólio de Estado. Quanto mais o capitalismo se desenvolver, mais se faz sentir a falta de matérias-primas, mais dura se torna a concorrência e a procura de fontes de matérias-primas no mundo inteiro e mais brutal é a luta pela posse de colônias”. (LÊNIN, 1982, p. 81/82).

O surgimento do Serviço Social, por sua vez,  coincide com o apogeu do capital imperialista e a consolidação da socialdemocracia para subsidiar a administração da “questão social” na ordem burguesa. Considerando que a produção é social e coletiva, e a acumulação e concentração privadas, tal contradição encerra a gênese da questão social[4]. Por sua vez, a sociedade é uma totalidade, ou seja, trata-se de um ente concreto, dinâmico, histórico, complexo, heterogêneo, contraditório - a ideia de “todo” e as “partes”, se contrapõe à totalidade, que consiste numa unidade contraditória.
As ciências sociais, herdeira do Iluminismo, surge no bojo da tradição conservadora, conforme a primazia do pensamento Positivista/Funcionalista durante o século XIX. A ascendência das ciências da natureza na origem das ciências sociais, favorece a “naturalização” da sociedade, enquanto que o positivismo, conforme doutrina filosófica, busca a ordem, o progresso e a “moralização” do social. Após a “primavera dos povos” - Revoltas de 1848 -, a questão social se desvia do pensamento crítico - socialismo - para a tradição conservadora, na medida em que se encerra o ciclo ascendente revolucionário proletário e a hegemonia do debate passa para os conservadores, naturalizando-a e a moralizando, a despeito das suas determinações históricas (IAMAMOTO, 1998, NETTO, 1989, 1996, 2001).
No Brasil, é com esse caráter conservador que têm origem o Serviço Social no bojo do capitalismo tardio e a industrialização promovida pela ditadura Vargas. A crise no Serviço Social tradicional, por sua vez, no contexto latino-americano, se inicia ainda na década de 60, sob pressão dos movimentos revolucionários, das revoltas estudantis, da luta pelos direitos civis e a segunda onda feminista, estimulando à sua aproximação do pensamento crítico. Conforme a revolução Cubana em 59, e as lutas anticoloniais na África e na Ásia, a conjuntura dos anos 60 irá favorecer o acirramento político-ideológico e a expansão de movimentos de luta e resistência na América Latina. Deste modo, evidencia-se o caráter pragmático e polivalente do Serviço Social, marcado pelo sincretismo e a prática indiferenciada no seu processo de desenvolvimento, condicionado por determinações antes de ordem prático-política, que teórico-acadêmica (IAMAMOTO, 1998, NETTO, 1996).
Por sua vez, esse processo do refazer profissional, e repensar as bases teóricas do Serviço Social alinhado com as transformações sociais e as demandas da classe trabalhadora, possibilitou uma interlocução com o marxismo, tanto no âmbito das condições de trabalho do profissional quanto em relação a dinâmica do capitalismo, da sociedade burguesa e a atualidade do processo revolucionário como possibilidade. Do ponto de vista objetivo, o marxismo subsidia a produção teórica, a intervenção socioprofissional e a reflexão sobre o significado sócio- histórico da profissão (NETTO, 1996).
A renovação do Serviço Social, coincide com a crise da ditadura no contexto de reorganização do capital global. Assim, foi um processo de questionamento global da profissão do ponto de vista teórico, ideológico, prático e histórico no contexto das transformações sociais e do capitalismo. Deste modo, o encontro do serviço social com o marxismo deu-se através da luta política mediado pela prática político-partidária. Essa relação, por sua vez, impôs a exigência de um aprofundamento da consciência teórica capaz de explicar as determinações desse processo e as possibilidades de ação. Posto que o Serviço Social oscilasse entre a tradição conservadora brasileira - elitista, autoritária, messiânica e idealista - de um lado, e o tecnicismo pragmático que o Estado e o capital demandam de outro (NETTO, 1989).
Do ponto de vista da ruptura que se contrapõe à matriz conservadora latente na prática profissional do assistente social, a base teórico-metodológica do pensamento marxista foi apropriada de forma heterogênea e indeterminada pela profissão, não sem resistências e atritos. Assim, constata-se que a complexidade da teoria social construída por Marx, impõe um aprofundamento teórico-metodológico que subsidie tanto a formação e produção acadêmica, quanto  a ação político-profissional, dialogando com a economia, a filosofia, a sociologia, a ciência política, a história (NETTO, 1989).

O pensamento de Marx funda uma teoria social: toda a sua pesquisa está centrada na análise radicalmente crítica da emergência do desenvolvimento, da consolidação e dos vetores de crise da sociedade burguesa e do ordenamento capitalista. [...] o traço peculiar e decisivo refere-se ao seu cariz histórico-ontológico. (Netto, 1989, p. 92)

É relevante destacar que nesse processo a luta política, conforme a conjuntura latino-americana, atravessa todo o debate sobre a profissão e a sociedade, no bojo das transformações decorrentes da onda redemocratizante no continente, a crise do bloco soviético e o avanço do neoliberalismo. A reflexão crítica sobre o processo social exige esmiuçar a relação entre as classes, e entre elas e o Estado na perspectiva da “totalidade” - histórica, política, econômica, teórica.
A expansão do capital monopolista desde o fim da II Guerra e o processo de industrialização acelerado, sob influência norte-americana no Brasil desde Vargas, alcança o seu apogeu com Juscelino Kubistchek e o Plano de Metas no bojo da “Aliança para o Progresso” - plano político norte-americano de “apoio” técnico, econômico, social para a América Latina, com o objetivo de incentivar o “desenvolvimento” e a “segurança” no continente mantendo os seus países sob a tutela de Washington, combatendo a influência comunista após a bem sucedida  Revolução Cubana em 1959.
O processo de industrialização brasileiro - iniciado por Vargas, ainda durante o “Estado Novo” -, combinado com a onda redemocratizante do pós-guerra - II Guerra - modifica não apenas o Estado, complexificando-o e promovendo o incremento da burocracia, mas, incide de maneira contundente na sociedade ampliando o proletariado urbano, as camadas médias ligadas ao setor público, o fluxo migratório e a urbanização rápida e desordenada. Essas mudanças provocam alterações na correlação de forças entre as classes sociais tensionando a luta de classes em favor dos trabalhadores, demandando a ampliação de políticas sociais, serviços públicos, direitos sociais e democracia.
A abertura política decorrente do final da II Guerra favorece o aumento em volume e organização, bem como a capacidade de mobilização política dos trabalhadores. Há nesse período o crescimento do número de sindicatos e sindicalizados, greves e manifestações dos trabalhadores - de um lado o “Trabalhismo” e de outro o Comunismo se constituem nos grandes vetores das reivindicações da classe trabalhadora pós 45 e até 64. Apesar de ter seu registro cassado pelo TSE em 1947 nos primórdios da Guerra Fria e no bojo do anticomunismo caboclo, o PCB foi uma força política considerável junto ao proletariado urbano desde a sua fundação em 1922 até fins dos anos 50, período de decadência do stalinismo e crise dos partidos comunistas mundo afora. Em 1945, o PCB possuía mais de 100 mil filiados e nas eleições daquele ano era a quarta força política mais importante do país dentre 13 legendas, elegendo um senador (Luís Carlos Prestes) e 15 deputados federais. Em janeiro de 1947, quatro meses antes de ter seu registro cassado, com grande influência sobre o movimento operário urbano, conseguiu eleger 11 deputados estaduais em São Paulo.

A industrialização e urbanização aceleradas e concentradas, a ampliação das organizações dos trabalhadores, o incremento do Estado, condicionam o aprofundamento das bases teóricas do pensamento político, econômico e social brasileiro e latino-americano. Nesse contexto, surge a CEPAL (Comissão Econômica para América Latina) em 1948 e o ISEB (Instituto Superior de Estudos Brasileiros) em 1955. De caráter transnacional, a CEPAL reunia economistas de diversos países da América Latina com o objetivo de refletir sobre a realidade local, buscando alternativas de desenvolvimento conforme as suas peculiaridades, através de cooperação e parcerias técnicas.
A CEPAL, com Raúl Prebisch e Celso Furtado, contribui para a afirmação de um pensamento político, social e econômico latino-americano, consolidando a tese do desenvolvimentismo, enfatizando a necessidade da industrialização como alternativa à política de importações que caracteriza as relações essencialmente assimétricas entre “centro” - países industriais e desenvolvidos - e “periferia” - países não-industrializados e subdesenvolvidos. O Plano de Metas durante o governo Juscelino Kubistchek, conduzido por Celso Furtado, foi orientado pelo paradigma cepalino da substituição de importações promovendo a industrialização acelerada no país, conforme a receita do intervencionismo estatal keynesiano em parceria com o capital.
O ISEB, por sua vez, no esteio da CEPAL, propunha impulsionar um pensamento brasileiro nas ciências sociais capaz de contribuir para o desenvolvimento do país. Vinculado ao Ministério da Educação e Cultura, o Instituto possuía um forte traço nacionalista, reunindo intelectuais como Hélio Jaguaribe e Nelson Werneck Sodré - o historiador e militar comunista. Como instituição de estudos pós-universitários o ISEB cumpria a função de alicerçar as bases ideológicas do nacional-desenvolvimentismo, produzindo conhecimentos sobre o país que subsidiariam a intervenção estatal. O trabalho desenvolvido pela CEPAL e o ISEB culminariam na “Teoria da Dependência”, como arcabouço teórico-crítico para repensar e superar os modelos desenvolvimentistas - nacional-desenvolvimentista e o autoritário-desenvolvimentista. Além disso, retomam o pensamento de Lênin e Rosa Luxemburgo nas reflexões sobre o Imperialismo, e o de Trotski sobre “desenvolvimento desigual e combinado”.


Atualidade do imperialismo e do neoliberalismo: tendências teóricas e possibilidades de resistência e contra-ofensiva.

Na alvorada do século XXI, até o final da primeira década a América Latina passou por uma onda progressista nos seus diversos países sem precedentes desde a redemocratização durante os anos 80 do século passado. Após a estagnação econômica dos anos 80, a década de 90 se caracteriza pela Globalização e o Neoliberalismo no continente, encampado pelo Consenso de Washington. Após esse período de abertura política e econômica, hegemonia norte-americana e primazia do mercado, forças progressistas - democráticas e de centro-esquerda - e a classe trabalhadora alcançam o poder pelas vias eleitorais, depois de duas décadas de acúmulo e maturação político-partidária.
Podemos dizer que esse processo se inicia ainda em meados dos anos 90 com o zapatismo em Chiapas no México - Exército Zapatista de Libertação Nacional -, chamando a atenção para o movimento campesino e indígena do sul do país na resistência à ALCA - zona de livre comércio estabelecida pelos Estados Unidos no hemisfério norte. No final daquela década Hugo Chávez alcança a presidência na Venezuela, inaugurando o Bolivarianismo, espécie de socialismo sulamericano do século XXI - de caráter populista e nacional-desenvolvimentista. Em 2002 Lula é eleito presidente no Brasil, seguido por Néstor Kirchner na Argentina, Rafael Correa no Equador, Fernando Lugo no Paraguai, Evo Morales na Bolívia, Michelle Bachelet no Chile e Pepe Mujica no Uruguai. Esse processo, de um modo geral, ampliou a democracia na América Latina, promoveu segmentos populares historicamente apartados do poder a protagonistas na agenda política e, sobretudo, estabeleceu políticas econômicas e sociais que alavancaram o PIB e o IDH desses países. Foi um período favorável para o Serviço Social, na medida em que a profissão expandiu a sua atuação profissional, ampliando a sua inserção na sociedade como interlocutora da classe trabalhadora no esteio do avanço das conquistas sociais. Esse movimento da práxis profissional aliada a atuação política demandou, por sua vez, o aprofundamento teórico-metodológico em bases críticas, de modo a alicerçar a formação dos profissionais e ampliar o debate sobre a realidade latino-americana no contexto do capitalismo dependente e periférico na ordem global.
A contra-ofensiva neoliberal e autoritária dá-se ainda no início do século XXI, em 2002 na tentativa de golpe contra Hugo Chávez na Venezuela e no golpe contra Aristide no Haiti sob a batuta norte-americana, em 2004. A crise econômica nos Estados Unidos em 2008, comparável a quebra da bolsa de valores de 1929, espalha a instabilidade e o refluxo de investimentos na região, precipitando a ofensiva da direita neoliberal e autoritária no continente. Seguem-se os golpes contra Zelaya em Honduras em 2009 e Fernando Lugo em 2012 no Paraguai, até o famigerado processo de impeachment contra o PT em 2016 e Evo Morales em 2019. Com exceção de Mujica no Uruguai e Bachelet no Chile, todos os outros presidentes e ex-presidentes foram perseguidos politicamente pela burguesia associada ao projeto neoliberal autoritário, durante e após os seus mandatos, com o objetivo de desestabilizar o país e acabar com a carreira política dos mandatários.
Segundo Fernandes (1981), o “moderno imperialismo”, através de grandes “empresas corporativas”, por sua vez, ampliado no contexto da Globalização, subjuga os esforços para o “crescimento econômico autônomo e a integração nacional da economia” na América Latina, colocando-os à serviço dos interesses privados estrangeiros. Enquanto nos países capitalistas desenvolvidos a hegemonia norte-americana pode ser contrabalançada pelo Estado, a indústria e a burguesia nacional, ele destaca que em função da carência de recursos materiais, tecnológicos e humanos nos países periféricos dá-se o seguinte:

“Em consequência, o processo de modernização, iniciado sob a influência e o controle dos Estados Unidos, aparece como uma rendição total e incondicional, propagando-se por todos os níveis da economia, da segurança e da política nacionais, da educação e da cultura, da comunicação em massa e da opinião pública, e das aspirações ideais com relação ao futuro e ao estilo de vida desejável”. (FERNANDES, 1981, p. 23).

Em suma, é de acordo com os interesses político-econômicos norte-americanos que as economias e sociedades latinas vem sendo reorganizadas, a despeito das características, potencialidades e aspirações nacionais. Conforme a atual ofensiva do projeto neoliberal no continente, é importante destacar duas constatações: a primeira é que o  neoliberalismo na América Latina surgiu há três décadas - com exceção do Chile, nos anos 70 sob os fuzis e coturnos de Pinochet -, no final dos anos 80 e início dos 90,  com Collor e FHC no Brasil, Salinas no México, Carlos Menem na Argentina, Andrés Rodríguez e Wasmosy no Paraguai, dentre outros. A segunda, é que a atual onda neoliberal que assola o continente trata-se de uma contra-ofensiva aos governos progressistas e de centro-esquerda que buscaram alternativas mais ou menos palatáveis à agenda neoliberal, entre o final dos anos 90 e início do século XXI como Lula no Brasil, Kirchner na Argentina, Chavéz na Venezuela, Rafael Correa no Equador, Evo Morales na Bolívia, dentre outros.  Dito isso, trata-se de um projeto que visa não apenas impor a agenda de “ajustes” neoliberal, porém antes proceder o desmonte das conquistas sociais em termos de direitos e políticas alcançadas pelas classes populares e os trabalhadores desses países.
Por essas razões, é importante destacar a defesa da teoria crítica como tendência teórica-metodológica privilegiada no contexto da atualidade do pensamento latino-americano, pois, conforme Siqueira da Silva (2019), o “debate marxista no serviço social não é apenas necessário: é essencial”. Na medida em que ele “não apenas oferece as melhores condições para uma apropriação crítica do objetivamente posto, nas condições efetivamente dadas, sem idealismos e dogmatismos”. Mais que isso, porque se posiciona “como tradição teórico-prática imprescindível, embora não única”, impondo o fundamental “debate com tradições teóricas diversas, suas teses centrais, sua crítica, portanto sem espaço para qualquer espécie de relativismo e de ecletismo”. Finalizando, cumpre ampliarmos o debate com interlocutores latino-americanos, promovendo o intercâmbio de teses, alternativas e estratégias de resistência e enfrentamento dessa onda ultra neoliberal, autoritária e obscurantista que avança sobre o continente.


Referencias

ANDERSON, Perry. Linhagens do Estado Absolutista. São Paulo: Brasiliense, 1985.
BRUNSCHWIG, Henri. A partilha da África Negra. São Paulo: Perspectiva, 1974.

FAORO, Raymundo. Os donos do poder: formação do patronato brasileiro. Rio de Janeiro: Globo, 1989.

FERNANDES, Florestan. A revolução burguesa no Brasil. São Paulo: Globo, 2006.

FERNANDES, Florestan. Capitalismo dependente e classes sociais na América Latina. São Paulo: Zahar, 1981.

FREYRE, Gilberto. Casa grande e senzala. Brasília: UnB, 1963.

GALEANO, Eduardo. As veias abertas da América Latina. São Paulo: L&PM Pocket, 2010.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. Brasília: UnB, 1963.

ISEB - Instituto Superior de Estudos Brasileiros. “Educação ideológica” e o novo papel do Estado Capitalista no Brasil dos anos de 1950. Disponível em<

Teoria da dependência,  neoliberalismo e desenvolvimento: reflexões para os 30 anos da teoria. Disponível em: <http://www4.pucsp.br/neils/downloads/v7_martins_sotelo.pdf> . Acesso em: 24/01/2019.
IAMAMOTO, Marilda V. O Serviço Social na contemporaneidade: trabalho e formação profissional. São Paulo: Cortez. 1998.

LÊNIN, Vladimir. Imperialismo fase superior do Capitalismo. São Paulo: Global. 1982.

MARX, Karl. A Chamada Acumulação Original. In: O Capital. Capítulo XXIV. Disponível em: <https://www.marxists.org/portugues/marx/1867/capital/cap24/index.htm>. Acesso em: 14/01/2020.

MARX, Karl. O Capital, livro I - O processo de produção do Capital. Vol. II. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. 1989.

NETTO, José Paulo. O Serviço Social e a tradição marxista. Revista Serviço Social e Sociedade, São Paulo, n. 30, ano X, p.89 – 102, 1989.

NETTO, José Paulo. Capitalismo monopolista e Serviço Social. São Paulo: Cortez. 1996.

NETTO, José Paulo. Cinco notas a propósito da "questão social". Revista Temporalis, São Paulo, n. 3, ano II. 2001.

PRADO JUNIOR, C. Evolução Política do Brasil e outros estudos. São Paulo: Brasiliense, 1962.

SIQUEIRA DA SILVA, José Fernando. O debate crítico do serviço social na América Latina: gênese e desenvolvimento no Brasil. São Paulo: Unifesp, 2019.

A Dominação Britânica na Índia. Disponível em:<https://www.marxists.org/portugues/marx/1853/06/10.htm>. Acesso em: 24/01/2020.


[1] Artigo escrito para a disciplina Serviço Social e América Latina do Programa de Pós-Graduação em Serviço Social e Políticas Sociais da Universidade Federal de São Paulo.
[2] Bacharel em Sociologia e Política pela Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo - FESPSP, 2002. Mestrando em Serviço Social no Programa de Pós-Graduação em Serviço Social e Políticas Sociais da Universidade Federal de São Paulo - Unifesp, 2018.
[3] O século XIX é a “era de ouro” do Império Britânico. Após a queda de Napoleão e o fim das guerras napoleônicas, a Inglaterra torna-se a grande potência mundial. A Marinha Real Britânica, desde a vitória sobre a Armada Espanhola no século XVI domina e controla os oceanos. Assim, no século XIX o Império Britânico conquista mercados através da força militar, expandindo-se até a Rússia com a Guerra da Criméia (1853), a China com a Guerra do Ópio (1856), às guerras de ocupação na Índia até a sua anexação em 1876, a conquista do Egito em 1882 e a Guerra dos Bôeres na África do Sul em 1899.
[4] De acordo com Marx: “A reprodução da força de trabalho, que incessantemente precisa incorporar-se ao capital como meio de valorização, não podendo livrar-se dele e cuja subordinação ao capital só é velada pela mudança dos capitalistas individuais a que se vende, constitui de fato um momento da própria reprodução do capital. Acumulação do capital é, portanto, multiplicação do proletariado” (O Capital, capítulo 23).